Buscar

Sobre Olfato e Sistema Imunológico



VOCÊ SABIA QUE o olfato e o sistema imune estão intimamente relacionados?


A capacidade de perceber os aromas é uma das mais intrigantes funções do nosso corpo, mas o sistema olfativo não é somente uma ferramenta para identificar cheirinhos... Vai MUITO ALÉM disso!


Estudos recentes em biologia molecular, fisiologia, evolução e genética, para mencionar algumas áreas, levaram a ciência a entender melhor as funções do que hoje chamamos de receptores olfativos ectópicos (RO) ou, ainda, receptores quimiossensores.


Esses receptores são chamados de olfativos porque são ativados por moléculas aromáticas que desencadeiam diferentes respostas celulares.


Esses receptores na verdade estão espalhados por todo organismo humano e não apenas no epitélio nasal. Foram encontrados receptores olfativos na pele, nos pulmões, no coração, na retina, nos ossos, no cérebro, em espermatozoides... Em todos os tecidos humanos em que foram procurados até hoje, lá estavam os RO.


A ciência está ainda apenas começando a entender o papel dos RO nas células, mas as descobertas já realizadas são incríveis e prometem um futuro de importantíssimas e intrigantes revelações sobre como nosso corpo funciona e como restaurar a saúde.


Geneticistas acreditam que células-imune primitivas de mamíferos ancestrais continham receptores químicos para as proteger de patógenos externos e que, em algum ponto da evolução dos vertebrados, esses receptores passaram a ser produzidos em outros tecidos e órgãos, oferecendo uma nova habilidade, a capacidade de perceber a presença de patógenos em um ambiente pelo que chamamos de aroma.


Dois grupos de células imunes conhecidas como monócitos e macrófagos utilizam receptores peptídicos formil em suas membranas para detectar a presença de elementos químicos relacionados a agentes patógenos. Na suíça, em um artigo de 2017, ficou demonstrado que ratos utilizam esse mesmo receptor para detectar odores de feromônios.


O sistema olfativo evoluiu a partir do sistema imune justamente como recurso para explorar o universo de partículas proveniente da química dos ecossistemas e seres ao nosso redor.


Isso faz muito sentido porque, sendo possível farejar traços químicos de agentes patógenos na atmosfera, isso dá ao corpo maiores chances de responder às infecções antes de os micróbios chegarem às defesas do hospedeiro.


Esses receptores sempre estiveram envolvidos na percepção de componentes químicos circulando em um sistema e atuam regulando o metabolismo, processos homeostáticos e a resposta imune, por exemplo, mas suas funções vão ainda além disso.


A descoberta dos receptores olfativos ectópicos rendeu aos pesquisadores Richard Axel e Linda Buck um Prêmio Nobel em 2004.


Para você ter ideia da importância disso, com o passar das últimas duas décadas, foi descoberto que determinados receptores olfativos podem ativar funções celulares relacionadas à inibição do crescimento de determinados tumores, por exemplo.


Não apenas: os receptores olfativos também estão envolvidos com a quimiotaxia de espermatozoides e, de fato, foram encontrados mais de 7 receptores olfativos ao longo do corpo de espermatozoides humanos e que atuam na orientação do espermatozoide, nos seus movimentos. Espermatozoides utilizam o olfato para encontrar o caminho certo no organismo feminino para o óvulo!


Há promissores estudos hoje acerca do potencial dos receptores olfativos como alvos terapêuticos para tratar os sistemas cardiovascular, imune, gastrointestinal, geniturinário, nervoso, respiratório e a pele, indo desde a regulação da pressão sanguínea à regeneração de músculos, cicatrizações difíceis, aderência de cálcio, apoptose de tumores, aumento da resposta imune e dezenas de outras queixas e doenças!


Determinados RO, quando encontram na corrente sanguínea ou na microbiota intestinal ou em outro tecido em que estejam um elemento incomum, alheio, possivelmente invasor ou perigoso, logo disparam uma sinalização que culmina numa resposta imunológica.


Há receptores quimiossensores nas células pulmonares, responsáveis, por exemplo, não apenas pela percepção de organismos patógenos, como um vírus da gripe, mas pela regeneração do tecido pulmonar após uma infecção pelo vírus, por exemplo.


RO transcritos têm sido identificados em várias células sanguíneas humanas, como eritrócitos, células periféricas mononucleares, células NK, B e T e granulócitos polimorfonucleares. Componentes aromáticos da manteiga, por exemplo, induzem comportamento quimiotático em neutrófilos humanos. Algumas moléculas aromáticas podem agir inibindo quimiotaxia de células T CD4 ou regular funções dos macrófagos.


Um estudo do Dr. Hanns Hatt sugere que uma molécula odorante chamada sandalore, sintética, ao ser recebida em nosso organismo, ativa o receptor olfativo OR2AT, o que leva a uma reduzida proliferação e acelerada apoptose de células tumorais de leucemia mieloide! Câncer de próstata, bexiga e cólon também possuem registros científicos que estamos deixando logo abaixo em nossa "listinha" de hoje.


Ainda são descobertas iniciais, faz apenas 20 anos desde que foram descobertos os RO, contudo... Não é especialmente intrigante que nosso sistema olfativo seja muito, muito mais do que uma ferramenta de separar cheiros?


Como sentinelas equipados com super canivetes-suíços, essas células fazem a ponte entre o externo e o interno mediando processos relacionados ao equilíbrio das funções que nos presenteiam com a saúde dos sistemas orgânicos.


Nestes tempos de pandemia e sazonalidade, devemos cuidar de fortalecer nossas defesas naturais, há muitas formas de fazer isso, uma delas é por estímulos olfativos por meio de moléculas voláteis de plantas medicinais, os famosos OEs.


A Aromaterapia, apesar de recente enquanto ciência, é uma prática ancestral, através da qual utilizamos os aromas da natureza para tratar numerosas queixas. Nosso corpo, ao longo das centenas de milhões de anos da evolução da vida no planeta, foi moldado para responder à química do mundo. Os efeitos da Aromaterapia na mente e no corpo são profundos e poderosos e estão aos poucos sendo melhor compreendidos pela comunidade científica mundial.


Sentir cheiros é fundamental para nossa sobrevivência, na escolha do que ingerir, do que não ingerir... Esse complexo sistema de percepção química do mundo é a porta de entrada para o poder medicinal de certas plantas aromáticas, que oferecem incontáveis benefícios a partir da ligação com os receptores olfativos que temos espalhados por todo organismo.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:


Activation of odorant receptor in colorectal cancer cells leads to inhibition of cell proliferation and apoptosis. PLoS ONE 12(3). https://doi.org/10.1371/journal.pone.0172491


Activation of Olfactory Receptors on Mouse Pulmonary Macrophages Promotes Monocyte Chemotactic Protein-1 Production. PLoS ONE 8(11): e80148. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0080148


Characterization of the Olfactory Receptor OR10H1 in Human Urinary Bladder Cancer. Front. Physiol. 9:456. https://doi.org/10.3389/fphys.2018.00456


Characterization of the Olfactory Receptors Expressed in Human Spermatozoa. Front. Mol. Biosci., 07 January 2016 | https://doi.org/10.3389/fmolb.2015.00073

Chemoreceptors, from immune to neuronal expression. Proceedings of the National Academy of Sciences Jul 2017, 114 (28) 7397-7402; https://doi.org/10.1073/pnas.1704009114


Environmental Toxicants-Induced Immune Responses in the Olfactory Mucosa. Front. Immunol., 04 November 2016 | https://doi.org/10.3389/fimmu.2016.00475


Human Olfactory Receptors: Novel Cellular Functions Outside of the Nose. Physiol Rev 98: 1739 –1763, 2018. Published June 13, 2018; https://doi.org/10.1152/physrev.00013.2017


Olfactory Receptors as Biomarkers in Human Breast Carcinoma Tissues. Front. Oncol. 8:33. https://doi.org/10.3389/fonc.2018.00033


Olfactory sensory neurons mediate ultrarapid antiviral immune responses in a TrkA-dependent manner. Proceedings of the National Academy of Sciences Jun 2019, 116 (25) 12428-12436; https://doi.org/10.1073/pnas.1900083116


OR2H2 regulates the differentiation of human myoblast cells by its ligand aldehyde 13-13. Archives of Biochemistry and Biophysics, Volume 645, 1 May 2018, Pages 72-80. https://doi.org/10.1016/j.abb.2018.03.017


P065 Olfactory receptor, OR51E2 is a marker for innate immune cells in ulcerative colitis, Journal of Crohn's and Colitis, Volume 13, Issue Supplement_1, March 2019, Pages S118–S119, https://doi.org/10.1093/ecco-jcc/jjy222.189


The activation of OR51E1 causes growth suppression of human prostate cancer cells. Oncotarget, 7(30), 48231–48249. https://doi.org/10.18632/oncotarget.10197


Therapeutic potential of ectopic olfactory and taste receptors. Nat Rev Drug Discov 18, 116–138 (2019). https://doi.org/10.1038/s41573-018-0002-3


To smell the immune system: olfaction, autoimmunity and brain involvement. Autoimmunity Reviews. 2006 Nov;6(1):54-60. https://doi.org/10.1016/j.autrev.2006.07.002



Obrigado pela visita! Esperamos que aprecie a leitura! Bons estudos.


Ah! E se quiser conhecer mais sobre Aromaterapia, sistema olfativo e óleos essenciais, conheça nossa Formação Online em Aromaterapia! Inscrições abertas! ;)


Abreijos alquímicos,

Raissa e Ronan

Apotecários da Floresta

124 visualizações
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
  • WhatsApp

contato @apotecariosdafloresta.com